A VILA DO ARTESÃO INFORMA

A VILA DO ARTESÃO INFORMA
LOJA FÍSICA DA FURLÃO ARTE EM COURO - RUA ARISTIDES LOBÔ 87, ESQUINA C/A AV. PROF. ALMEIDA BARRETOBAIRRO SÃO JOSÉ (EM FRENTE AO ANTIGO CAFÉ SÃO BRAZ - CAMPINA GRANDE - PARAÍBA

OBRIGADO POR SEGUIR O FURLAO

THANK YOU FOR FOLLOW FURLÃO

MERCI POUR SUIVRE FURLÃO

GRAZIE PER SEGUIRE FURLÃO

GRACIAS POR SEGUIR FURLÃO

SEGUIDORES

Nossa Loja Vila do Artesão

VISITANTES NO FURLÃO É ON LINE

NÃO SE PERCA NO TEMPO

PARA MELHORAR A SUA LEITURA APERTE A+

A+ a-

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

VISITE CAMPINA


Comunicamos aos clientes, amigos e visitantes deste espaço, que já está no ar o SITIO informativo sobre Campina Grande. Com um clique você vai acessar aos locais mais badalados de nossa cidade, restaurantes, hospedagem e como chegar à VILA mais charmosa do Brasil; a Vila do Artesão!
É simples! WWW.VISITECAMPINA.COM  

terça-feira, 16 de setembro de 2014

INFORMAÇÃO IMPORTANTE

HOMI NINHUN NACEU PÁ SÊ PISADU! (Lampião)




INFORMATIVO
O Grupo de Produção Familiar - FURLÃO sente-se no dever de informar aos clientes, como também a população da Paraíba, Brasil e outros países, como também aos internautas e amigos do FACE que o chalé 77 onde funciona a FURLÃO, mudou o seu horário de funcionamento, em cumprimento a decisão tomada em reunião realizada no auditório da Vila do Artesão, em 15/09/2014 e que ficou decidido em assembléia extraordinária, onde estiveram presentes artesãos e como gestor do complexo artesanal AMDE - Agência Municipal de Desenvolvimento, que a Vila do Artesão terá um novo horário de funcionamento ao público a partir data acima mencionada.
De segunda a sábado das 10:00 às 18:00 e domingo; fechado.
Desde já, agradecemos a compreensão dos clientes FURLÃO e a população no seu todo.
Atenciosamente,
Biagio Grisi

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

CHICOTES FURLÃO E SUAS QUALIDADES NA CONSTRUÇÃO






Todos os meus chicotes começam com uma haste de aço para o punho que fornece uma base sólida e de peso para equilibrar o fio dental. O comprimento do punho padrão é de 20 centímetros. Também estão disponíveis para aqueles que preferem alavancagem extra, chicotes com 25 e 30 centímetros de punho.

O topo, (Botão Decorativo) é feito com dois ventres e finalizado com um nó Tupeí dando um excelente equilíbrio e desenho arrojado. O núcleo consiste de dois ventres trançados e duas barrigas. A sobreposição é feita em 12 tranças. Todos os mínimos detalhes são levados em conta para conseguir o efeito ideal dos chicotes australianos, detentores até hoje da melhor qualidade.

Nota:  Note que todos os meus chicotes são feitos por encomenda, e eu, pessoalmente os faço artesanalmente do início ao fim.  Portanto, invisto um número considerável de tempo, atenção e esforço em cada um deles, de modo que eles cheguem aos meus padrões de qualidade, bem como as expectativas dos meus clientes. O tempo de entrega varia de acordo com o número de pedidos que tenho na minha lista de espera no momento da sua encomenda. Entre em contato comigo para o meu tempo de espera atual.

A maneira mais fácil de chegar a mim é furlaobg@gmail.com Vou responder prontamente dentro de 24 horas.

Por Biagio Grisi

domingo, 3 de agosto de 2014

PRODUTOS FURLÃO UM NOVO TEMPO SURGE PARA OS AMANTES DE CHICOTES E FLOGGERS




Informamos que a FURLÃO, está mudando o layout da sua LOJA VIRTUAL para melhor atender a sua clientela. Portanto, estaremos atendendo ao público através do nosso blog: http://furlaoloja.blogspot.com.br/ logo que concluirmos a operação informaremos o novo LINK. Nossas desculpas pelo transtorno. 

Atenciosamente,
Biagio Grisi

segunda-feira, 16 de junho de 2014

FURLÃO ENFRENTA DESAFIO DE MERCADO E SAI NA FRENTE

Por Fernanda Torres do Amaral

Uma crescente onda vinda dos EUA e que invadiu o Brasil, foi a paixão por chicotes de vários modelos, especialmente os floggers e chicotes longitudinais iguais os usados pelo ator Harrison Ford no filme Indiana Jones.
Apesar do Sr. Biagio Grisi, mentor do grupo de produção familiar FURLÃO, não fazer no dia a dia este tipo de material, o artista recebeu uma encomenda de uma pessoa da cidade de São Paulo, capital, que faz parte de um clube de chicotes da mesma cidade. Discutido o preço dos dois chicotes, o artista foi à luta, confeccionou-os e enviou-os ao cliente.
Atualmente, Biagio está com uma grande encomenda de floggers e chicotes tipo Indiana Jones para este cliente.
Segundo o artista, quando iniciou a sua carreira com couro e criou a marca FURLÃO, também criou o slogan 'AQUÍ, VOCÊ FAZ A DIFERENÇA'. É justamente o slogan que gera o desafio, não sou eu que dito a regra do jogo e sim o cliente. É claro que temos nossos limites e que um dia eu possa ter que enfrentá-lo. 
Veja fotos de chicotes
















FURLÃO ARTE EM COURO RECEBE VISITA ILUSTRE

Estiveram na manhã deste domingo (15) visitando a Vila do Artesão, os aboiadores Paulo e Jairinho da cidade de São José do Egito-PE, acompanhados pelo competentíssimo Gilmar, da Secretária de Cultura de Campina Grande. Na oportunidade, visitaram o atelier/loja do grupo de produção familiar (FURLÃO).
Lá estavam o mentor do grupo Biagio Grisi (o Lampião da Vila) e a sua esposa Cléa Grisi, membro do grupo.
Veja foto do novo Lay out da loja e foto dos artistas visitantes.



terça-feira, 18 de março de 2014

Artista Paraibano faz réplica de chapéus de cangaceiros

Por Fernanda Torres do Amaral

O artista paraibano Biagio Grisi que faz peças de couro desde 2009 e que tem ao longo do tempo se especializado na confecção de réplicas de chapéus de cangaceiros como: Lampião, Luis Pedro, Moreno, Corisco e tantos outros.
Teve um dos seus chapéus comprado recentemente pelo professor Ozéas Jordão para caracterizar-se como cangaceiro e viajar até o estado de Sergipe com um grupo de 25 pessoas para conhecer a trilha do cangaço.
O Sr. Biagio Grisi disse, já ter tido momentos de grande satisfação com a venda desses chapéus, como a venda de 20 peças para um cantor inglês, uma peça para París, outra para o EUA, esta, recentemente, dentre tantas outras.
Mas, esta réplica do chapéu de Luis Pedro, me deixou bastante emocionado. Pois, o cliente Ozéas Jordão, além de ser um conhecedor da cultura lampiônica, comprou-o para estar lá, onde tudo aconteceu, exclamou.
É como se eu estivesse ali, vivenciando aquele momento de reunião do bando e em seguida a morte.
Posso dizer que profissionalmente me considere satisfeito, concluiu.




 






















Crédito das fotos: Ozéas Jordão
                                 

domingo, 10 de novembro de 2013

ARTESÃO BIAGIO GRISI

O Artista na confecção de peças em couro Biagio Grisi, teve a grata satisfação na tarde deste sábado (09) na Vila do Artesão, onde tem uma loja, em poder assistir a apresentação da Cantora Eloisa Olinto, cliente FURLÃO e participante do The Voice Brasil, dentro do Projeto Samba na Vila, idealizado pelo produtor de eventos o Sr. Erasmo Rafael, com a aquiescência da AMDE - Agencia Municipal de Desenvolvimento.
O Sr. Biagio Grisi contou, que ficou bastante surpreso em ver a cantora com uma peça produzida por ele.  Eloisa chegou à loja querendo uma braçadeira e fiz uma especialmente para ela, já que a mesma tem vários tipos de braçadeiras de diversas tipologias e gostaria uma de couro.
Bem... O show desta menina, é muito bom, não foi por acaso que Eloisa, esteve no programa de maior audiência no Brasil, quando se trata de música, afirmou o artista.

Não pude assistir a apresentação no seu todo, pois estava dividido entre o evento e a loja, contudo, foi o máximo, concluiu Biagio.



                                           Fernanda Torres do Amaral
                                                      - Jornalista -

domingo, 19 de maio de 2013

O APITO DA COPA (pedhuá)

É provável que algumas pessoas da sociedade campinense, conheça o Sr. ALCEDO MEDEIROS, empresário.  Já Alcedo Pedhuá como vem sendo chamado, após inscrever-se e ganhar o concurso de criação do instrumento musical da Copa de 2014 em primeiro lugar dentre 199 inscritos, o Brasil todo já conhece.
Agora, o que tem haver  a Furlão Arte em Couro com o apito da Copa?
O Sr. Biagio me contava ontem à noite, que, conversando com um senhor acompanhado da família, interessado em comprar um chapéu de vaqueiro para a sua criança, surgiu no entremeio  da conversa o apito pedhuá (apito que arremeda pássaros). O Sr. Biagio, dizia  ter achado interessante a escolha e saber que a ideia tinha sido de um campinense, contudo, não entendia o motivo de terem mudado por completo a forma original do pedhuá.
A surpresa foi tamanha quando o tal cidadão disse que o criador era exatamente ele! 
O Sr. Biagio Grisi, não perdeu tempo e disse: agora voce vai ter que me explicar porque mudaram o design.
Tudo explicado, o Sr. Biagio parabenizou-o e aproveitaram para serem fotografados juntos à caráter.
Pois quem chega para comprar ou visitar a FURLÃO, obrigatoriamente é fotografado como um verdadeiro cangaceiro.
Pois não é que o Sr. Alcedo Medeiros, prometeu ao Sr. Biagio que traria de presente tanto o pedhuá original também feito por um campinense, que o fez inspirar-se no apito da Copa, como também o pedhuá modificado.
Fica aqui,  os mais sinceros votos de sucesso permanente para o Sr. Alcedo Medeiros (Alcedo Pedhuá) e o Sr. Biagio Grisi (O Lampião da Vila).

                                                     Fernanda Torres do Amaral
                                                                - Jornalista -

                                                              PEDHUÁ ORIGINAL
                                                     
                                             PEDHUÁ MODIFICADO (APITO DA COPA)

                                             ALCEDO MEDEIROS (ALCEDO PEDHUÁ)
                                       
                                               ALCEDO MEDEIROS  E BIAGIO GRISI
                                                   

quarta-feira, 24 de abril de 2013

domingo, 31 de março de 2013

CHICOTE DE COURO TRANÇADO -II / VILA DO ARTESÃO - CHALÉ 77 - CAMPINA GRANDE-PB

A matéria realizada com o Sr. Biagio no dia 23/03/2013 e publicada no dia 30 do corrente, trouxe-me a ideia, (uma ideia puxa a outra) de publicar a letra da música TROPEIROS DA BORBOREMA da autoria de Raimundo Yasbek Asfora e Rosíl Cavalcanti, onde fala sobre esta maravilha artesanal feita de couro.

Estala relho marvado
Recordar hoje é meu tema                                                          
Quero é rever os antigos tropeiros da Borborema
São tropas de burros que vêm do sertão
Trazendo seus fardos de pele e algodão              
O passo moroso só a fome galopa
Pois tudo atropela os passos da tropa
O duro chicote cortando seus lombos
Os cascos feridos nas pedras aos tombos
A sede e a poeira o sol que desaba
Ó longo caminho que nunca se acaba
Estala relho marvado
Recordar hoje é meu tema
Quero é rever os antigos tropeiros da Borborema
Assim caminhavam as tropas cansadas
E os bravos tropeiros buscando pousada
Nos ranchos e aguadas dos tempos de outrora
Saindo mais cedo que a barra da aurora
Riqueza da terra que tanto se expande
E se hoje se chama de Campina Grande
Foi grande por eles que foram os primeiros
Ó tropas de burros, ó velhos tropeiros.
Fernanda Torres do Amaral - Jornalista -


sábado, 30 de março de 2013

CHICOTE DE COURO TRANÇADO/ VILA DO ARTESÃO CHALÉ - 77 - CAMPINA GRANDE-PB

Já fazia um certo tempo que o Sr. Biagio não me requisitava para falar sobre as novidades que a sua marca vem introduzindo no mercado.
Então, resolvi dar uma passadinha em seu atelier para saber o que estava acontecendo.
Ele me disse, que esteve meio "afastado" das criações e fazendo apenas, o que os clientes lhe pediam por encomenda (bolsas, cintos, coletes e os famosos chapéus de Lampião e de outros cangaceiros).
Eu tenho uma ideia, disse ele, esta coisa fica matutando em minha mente até eu colocá-la no papel, torná-la um projeto e definitivamente, trazê-lo ao mundo.
As pessoas que chegam ao meu atelier  me "cobram" sobre como surgiu a ideia, e o que aquela peça representa culturalmente.
Portanto, é importante que me debruce sobre  livros e que queime as pestanas de ver e rever vídeos.
Se  preciso for, em última análise recorro a INTERNET.
A ideia em pauta sempre esteve em minha mente desde a minha infância. Eu tive a oportunidade dada por Deus e a minha avó paterna, na cidade do Ingá-Pb. onde ela residia, de ver homens empunhando seus longos chicotes em cima de burros mulos bem adornados, fazendo  outros animais, que enfileiravam-se à frente, carregados de mantimentos, "marcharem" em direção aos seus destinos.
Aqueles estalos me deixavam fascinado. Eram homens bem treinados, que jogavam para trás e para frente aqueles longos e temidos chicotes e aí vinha aquele barulho estridente, que se acentuava ainda mais, através do eco.
Enfim,  aquela peça de couro reservou-se em minha mente durante todos esses anos, para agora, cobrar-me a sua feitura.
Era necessário recuar no tempo, fitar o horizonte e lembrar de tudo o que vivenciei e fazer nascer dessas mãos, o também chamado e conhecido; RELHO.

* CHICOTE (Cordel entrançado ou correia de couro ligada ou não a um cabo de madeira, e comumente usado para castigar animais; açoite, azorrague, chabuco, chibata, chico-das-dores, couro, frança, gurinhém, habena, látego, muxinga, peia, peia-boi, preaca, vergalho, vergasta).

P.S.: Imagens retiradas da internet.
                                                                    Fernanda Torres do Amaral
                                                                               - Jornalista -



                                                                                         

sexta-feira, 29 de março de 2013

TRANÇADOS DE COURO/ VILA DE ARTESÃO - CHALÉ - 77 - CAMPINA GRANDE-PB

Lembrou de alguém especial, ao ver estes lindos chaveiros? Quer saber de uma coisa? É muito fácil adquirir qualquer destes produtos confeccionados por Sr. Biagio Grisi e seus colaboradores Cléa Grisi e Ítalo Grisi.
Você reside em Campina Grande,  está nesta cidade à passeio ou à trabalho? 
Você querido(a) amigo(a), sem dúvida é uma pessoa de muita sorte sabe o que realmente quer!
Então, visite a Vila do Artesão que está situada à Av. Prof. Almeida Barreto, S/N no bairro São José.
O chalé 77, é  onde está localizada a loja física da FURLÃO ARTE EM COURO.
Está esperando o que?




Fernanda Torres do Amaral
- Jornalista -

quinta-feira, 28 de março de 2013

TRANÇADOS DE COURO/ VILA DO ARTESÃO CHALÉ - 77 - CAMPINA GRANDE-PB

Eu, CURTO, tu CURTES, ele CURTE,  nós CURTIMOS, vós CURTIS eles CURTEM a arte de trançar e fazer surgir peças maravilhosas, em várias cores.

                                                                  CHAVEIROS


Fernanda Torres do Amaral
- Jornalista


quarta-feira, 27 de março de 2013

TRANÇADOS DE COURO/ VILA DO ARTESÃO CHALÉ - 77 - CAMPINA GRANDE-PB

E continuamos nos deslumbrando com o trabalho magnífico do Mestre Artesão.

                                                                     CHAVEIROS



Fernanda Torres do Amaral
- Jornalista -

terça-feira, 26 de março de 2013

TRANÇADOS DE COURO/ VILA DO ARTESÃO CHALÉ - 77 - CAMPINA GRANDE-PB

Quanto mais admiramos, mais, é a vontade de continuarmos.

                                                     CHAVEIROS COM SEMENTE



Fernanda Torres do Amaral
- Jornalista -

segunda-feira, 25 de março de 2013

TRANÇADOS DE COURO/ VILA DO ARTESÃO CHALÉ - 77 - CAMPINA GRANDE-PB

Continuamos admirando a arte de trançar com Biagio Grisi.

                                                                 CHAVEIROS



Fernanda Torres do Amaral
- Jornalista -

domingo, 24 de março de 2013

TRAJETÓRIA DO ARTISTA BIAGIO GRISI/ VILA DO ARTESÃO CHALÉ - 77 - CAMPINA GRANDE

Normalmente a arte de fazer artesanato de qualquer tipologia, sempre foi passada de geração em geração, explica o Sr. Biagio Grisi. Contudo não foi o que aconteceu com o mesmo, pois, não foi através dos avós ou pais que o mesmo aprendeu a fazer artesanato .
Em 1998, após ter se desempregado, comprou um fiteiro localizado à Rua  Dom Pedro I, na calçada da Faculdade de Comunicação social, nesta cidade, e lá passou 01 ano comercializando refrigerantes, cigarros, bombons,etc.
Lá, recebeu um convite para aprender a arte de trançar cestas. Não perdeu tempo, fez um curso super básico de um dia e naquele fiteiro, começou a fazer cestas de junco e vime e comercializar. Segundo ele, passou seis meses, pois a concorrência era grande e desleal.
Foi então, que o artesão em madeira Carlos Paschoal, convidou-o para fazer casinhas de madeira. Mais uma vez não perdeu tempo, conseguiu alguns pedaços de madeira e começou a fazer casinhas. Passou 11 anos fazendo casas que retratavam a nossa cultura. (casa do vaqueiro,casa de Lampião,bodega sertaneja,armazém de mangaio, armazém do couro e barracas de feira).
Segundo o mesmo, vendeu esta tipologia para vários países da Europa, E.U.A. e China.
A partir dezembro de 2009, abandona a madeira para dedicar-se definitivamente ao couro.
"O couro sempre esteve presente em minha vida desde a minha infancia, quer montado em cima de uma cela,calçando uma sandália de rabicho, uma bota campeira, uma perneira ou uma macaca pendurada em meu punho esquerdo", acrescentou o artista.
O artesão tem feito peças que já são reconhecidas tanto no Brasil, como na Europa (Inglaterra).
Réplicas de Chapéus de Lampião e de outros cangaceiros mais conhecidos como Luís Pedro, Corisco e Moreno, este último, falecido recentemente em 2010, aos 100 anos.
Agora, o Sr. Biagio quer fazer história recriando os antigos relhos, chicotes, chibatas, dentre outros artigos criados a partir de tiras de couro, também conhecidos como "fitilhos ou tentos".
"Deixo-os" agora, com fotos de peças de madeira que "correram" o mundo e que tornaram o Sr. Biagio Antonio Grisi Paiva, bastante conhecido.
E finalmente, com fotos de produtos de couro, que "acabam" de ser confeccionados e que estarão em sua loja física, localizada na Vila do Artesão - Chalé 77 - situada à  Av. Prof. Almeida Barreto, S/N, proximo ao antigo café São Braz, no bairro São José.

                                                         ARMAZÉM DO COURO

                                                 ARMAZÉM DE VENDER MANGIO

                                               COZINHA DO SERTÃO NORDESTINO

                                                          COZINHA SERTANEJA

                                    BARRACA DE FEIRA DE VENDER COMIDA TÍPICA DO NORDESTE

                                      SALA DE CASA SERTANEJA DO NORDESTE


                 COMÉRCIO DE BEIRA DE ESTRADA DE VENDER PRODUTOS DE COURO

CIPÓ DE MARMELEIRO REVESTIDO POR TRANÇADO DE OITO TENTOS EM DUAS CORES



                              MACACA TRANÇADA COM OITO TENTOS EM DUAS CORES



          TRANÇADO DE 12 TENTOS EM QUATRO CORES, REVESTINDO PAU DE JUCÁ




                                                                  Fernanda Torres do Amaral
                                                                           - Jornalista -